O que você pode aprender com o Livro “Princípios” de Ray Dalio

Raymond Thomas Dalio, mais conhecido como Ray Dalio, é um dos empresários mais bem sucedidos do mercado financeiro global. Fundador da Bridgewater Associates, o norte-americano criou a empresa em 1975, à época uma boutique de investimentos em seu próprio apartamento de dois quartos.

Com o tempo, a companhia se desenvolveu e passou a gerir em 1987 o que posteriormente veio a ser o maior fundo de hedge de investimentos do mundo. Antes da pandemia, a gestora já tinha gerado retorno de US$ 58 bilhões para seus investidores.

No que ele denominou como “a terceira fase de sua vida”, hoje Ray Dalio se dedica à filantropia, atuando especialmente em trabalhos que envolvem educação e saúde física e mental. Já se comprometeu publicamente, por exemplo, a doar ao menos metade de sua fortuna, avaliada em quase US$20 bilhões.

Com o tempo, o propósito anterior de sua vida, que era ter sucesso, deu lugar ao desejo de ajudar outras pessoas a serem bem sucedidas. Para tanto, ele publicou a obra Princípios, na qual compartilhou as ideias que o ajudaram a evoluir. Ou, como ele próprio diz, “ensiná-las a extrair o máximo de cada esforço empregado”.

O livro traz reflexões sobre a busca por chegar ao topo

“Os benefícios de ter muito e de estar no topo não são tão grandes quanto a maioria das pessoas imagina”, ele explica. Isso porque o básico para se ter boa qualidade de vida é ter um bom descanso/sono; boas relações interpessoais; além de boa alimentação e bom sexo. E todos esses fatores são pouco influenciados por ter muito dinheiro: os ganhos são marginais.

Pelo contrário, Dalio explica ainda que “estar no topo também traz fardos pesados”. Isso porque embora o dinheiro lhe forneça mais opções, também exige mais de cada um. O empresário aduz que “ter uma vida intensa e repleta de conquistas” talvez não seja melhor do que “ter uma vida tranquila repleta de momentos de prazer”.

Logo, a conclusão é que “ser anônimo talvez seja melhor”. Essa decisão — lutar em busca de chegar até o topo ou não —, contudo, cabe a cada um. Independentemente disso, ele completa: “ser forte é melhor do que ser fraco e lutar bem sempre te faz melhor”.

Nesse processo, o livro traz 277 princípios para inspirar a jornada de seus leitores. Ray Dalio explica que individualmente é preciso desenvolver seus próprios princípios baseados em seus próprios valores, tanto os relacionados à vida quanto ao trabalho. Assim, o que é transmitido na obra não deve ser analisado como uma “receita de bolo”, mas sim como um benchmark.

Eu, por exemplo, concordo que os princípios são verdades fundamentais que servem como base para um comportamento que proverá aquilo que você deseja em sua vida. É possível ter princípios para tudo, e a ideia é que sejam aplicados repetidamente em situações similares a fim de ajudar a conquistar os objetivos. Por conseguinte, ter bons princípios é uma forma eficiente de lidar com a realidade.

História e técnica de Ray Dalio

A primeira parte da obra conta a história de Ray Dalio e de como foi sua jornada, desde a sua criação em um um bairro de classe média em Long Island, no estado de Nova Iorque. Mostra a trajetória de como ele começou a investir aos 12 anos com o dinheiro que conseguia a partir de gorjetas de jogadores de golfe, passando por sua vida pessoal; seus erros e acertos; a criação da Bridgewater; e até o momento em que Dalio se tornou o dono da maior gestora de fundos de investimento global.

Além disso, a obra explica como foi criada a teoria de investimentos dele e da diferenciação de estratégias de busca por retornos de mercado a partir de gestão passiva. Conta ainda como também criou fundos com propósitos de alcançar retornos vantajosos e não relacionados com o mercado geral, a partir de tomar mais riscos e desempenhar uma gestão ativa.

Foi assim que o investidor se notabilizou pela estratégia de combinar a diversificação em ativos descorrelacionados. Não à toa, recebeu o apelido alardeado de “o Steve Job dos investimentos”.

Sobre cometer erros fundamentais

Dalio explica que, a partir deles, passou a ser mais humilde e a criar as bases do que o possibilitou ser bem sucedido: Dor + Reflexão = Progresso. Trata-se de uma ressignificação do sofrimento, como abordado pelo renomado psicólogo Viktor Frankl na obra Em Busca de Sentido. Isto é, a dor é uma oportunidade para reflexão e aprimoramentos na vida. Aprender com erros, ele conclui, ajuda a não cometê-los novamente.

O autor concluiu que os motivos de seu sucesso tiveram maior relação com o conhecimento de como lidar com a falta de sabedoria do que com as coisas que ele sabia. Como diz a filósofa Ayn Rand, “é possível ignorar a realidade, mas não se pode ignorar as consequências de se ignorar a realidade”. Portanto, entender a verdade é a base para produzir bons resultados, como afirma Dalio.

Assim, o empresário mudou de atitude: sua crença de que “estava certo” sobre um assunto foi substituída pela necessidade de fundamentar com profundidade os motivos pelos quais considera estar certo sobre algo. Nesse sentido, algumas das bases de seu pensamento estão na busca desenfreada por controlar o ego e restringir ao máximo possível os pontos cegos. É o que ele denomina de “superrealista”.

Para auxiliar nesse processo, o medo de estar errado precisa ser utilizado para abrir a mente para outras perspectivas. Assim, um exercício essencial é enxergar as coisas pelos olhos alheios, pois “dar credibilidade à opinião dos outros aumenta a probabilidade de acertar”.

Sonhos podem se tornar realidade

Isso não tem relação com a ideia de que sonhos não podem se tornar realidade, mas sim que o melhor caminho para ter grandes sonhos e conquistá-los é abraçar a realidade e ter determinação a fim de ter uma vida bem sucedida.

Ray Dalio explica que, durante toda sua vida, ele temeu o tédio e a mediocridade mais do que o fracasso em si e que, na busca por conseguir o melhor, precisou correr mais riscos. Assim, na busca pela evolução, ele divide o processo em seis passos:

  1. Saber metas e correr atrás delas, buscando o autoconhecimento;
  2. Encarar os problemas que aparecem entre você e as metas;
  3. Diagnosticar os problemas para conseguir encontrar a raiz das causas
  4. Criar um plano para eliminar o problema identificado;
  5. Executar esse plano ortodoxamente, se motivando para fazer o que é preciso para avançar em direção à meta;
  6. Executar os 5 passos repetidamente para ter evolução.

Considerações finais

Ray Dalio explica que não é preciso executar todos os passos sozinho, e que é desejável pedir ajuda a outras pessoas que são boas no que você não é e que conseguem fazer coisas que você não pode. Afinal, lutar bem também envolve lutar com as pessoas certas ao seu lado. Isto é, se cercar de pessoas que podem fazer as coisas melhor do que você.

Em suma, Dalio conclui que ter coragem de lutar bem para evoluir é a melhor forma de ter a vida mais maravilhosa que está ao alcance de cada um. A satisfação da vida não está em atingir metas, mas sim em “lutar bem”. Afinal, como a vida tem altos e baixos, lutar bem não apenas torna os pontos altos da vida melhores, como torna os baixos menos piores.

,

Avatar

Por:

Head de Conteúdo do Ideias Radicais.

Relacionados

BitPreço