Os 5 episódios mais libertários de South Park

Você já ouviu falar no desenho South Park? Não? Tudo bem, vou te explicar (mas saiba que está perdendo muitas risadas). A produção é uma série animada que conta a vida de quatro estudantes americanos cujas bocas não são nem um pouco limpas. São eles: Eric Cartman, Kenny McCormick, Stan Marsh e Kyle Broflovski. Aqui, no Brasil, diríamos que os principais personagens da animação não têm “papas na língua”.

Rude e seriamente engraçada, a série tornou-se um sucesso imediato após sua estreia na Comedy Central em agosto de 1997 nos Estados Unidos. Longe de serem bem comportados, os meninos falam muitos palavrões e tiram sarro de tudo e de todos – desde ícones da cultura pop até Jesus Cristo, por exemplo.  

Não importa qual tragédia local ou global aconteça, Cartman nunca será respeitado, Kenny estará sempre morrendo e a amizade de Stan e Kyle continuará intacta! 

Mas por qual motivo estamos falando de South Park aqui no Ideias Radicais? Calma. Ainda que conhecido por seus palavrões, absurdos e brincadeiras, South Park vai além da esfera humorística. Surpreso? Pois é. Frequentemente há tons libertários em seus episódios. Para este post, listei cinco episódios que eu mais costumo lembrar quando discutimos sobre o libertarianismo de South Park.  

Leia e assista! Só não vale não rir… 

(Alerta de spoiler — a série é episódica, portanto, não há história contínua, assim como em Os Simpsons, por exemplo). 

1. South Park: Temporada 2, Episódio 17 “Gnomos” 

Os 5 episódios mais libertários de South Park
Foto: Oracle Blogs

Certo dia, na cidade de South Park, o pai de Tweek, um dos personagens secundários da série, pede para que seu filho faça um projeto sobre aquisições corporativas. Mas porque isso? Na época, a empresa de café Harbucks estava prestes a abrir uma filial, ameaçando os pequenos Coffee Shops da metrópole. 

Os habitantes de South Park, no entanto, eram totalmente contra a abertura da Harbucks; e esperavam que Tweek e seus amigos fizessem uma apresentação sobre o porquê de a empresa não poder se instalar. Porém, com a ajuda de alguns misteriosos gnomos ladrões de cuecas (sim, você não leu errado), a população chega à conclusão de a força legal não deveria ser usada para retirar a Harbucks do jogo. O motivo? Concorrência. Os citadinos perceberam que quanto mais opções, melhor.  

É interessante notar que, na realidade, assim como no episódio, a ideia da interferência estatal é muito comum. Dessa forma, a lição que nos fica é a seguinte: não restrinjam nenhuma empresa que pode operar em um mercado. Deixe os consumidores decidirem por si mesmos. 

Viva o libertarianismo

3. South Park: Temporada 7, Episódio 13 “Bunda de Fora” 

Os 5 episódios mais libertários de South Park
Foto: TecMundo

Um dia, na escola de South Park, Cartman, Kenny, Stan e Kyle são pegos fumando cigarro. Detalhe: todos são crianças/adolescentes. O episódio choca a cidade, que convoca o ativista anti-tabagismo Rob Reiner para lutar contra as empresas locais de tabaco. 

Este episódio fomenta algumas reflexões profundas sobre os fins justificarem os meios em algumas ocasiões. Ele mostra como as pessoas atuam em causas nobres, mas usam meios antiéticos para promovê-las. Por exemplo, pode até ser nobre querer que alguma pessoa pare de fumar, já que faz mal. No entanto, não é ético lutar para que ninguém tenha permissão de fumar. É um direito individual. 

Além de uma baita lição, o acontecimento gera duas frases marcantes: “Então, agora, todas as pessoas sabem os perigos de fumar e algumas pessoas ainda optam por fazer isso; e acreditamos que esse é o significado de ser americano” e “Você simplesmente odeia fumar, então usa todo o seu dinheiro e influência para forçar outros a pensarem como você, isso se chama fascismo.” 

Qualquer semelhança com o mundo real não é mera coincidência.  

3. South Park: Temporada 11, Episódio 2 “Cartman com a Boca na Butija”  

Foto: Pride Edits

O episódio não só apresenta uma promoção explícita do orgulho/igualdade LGBT, como também aponta a ironia de um sistema ao afirmar que limitar a liberdade é bom para as pessoas em longo prazo.  Boas intenções nem sempre levam a bons resultados, uma lição que muitos políticos parecem nunca terem aprendido. 

4. Temporada 13, Episódio 3 “Margaritaville” 

Foto: GQ Globo

Neste episódio, South Park está inundada por uma crise economia. A população, que antes tinha poder de compra, fica desesperada.  

Um executivo de Wall Street sugere que as taxas de juros baixas são as culpadas, pois os cidadãos, ao comprarem muito sem poder pagar, estavam acumulando inúmeras dívidas e formando uma bola de neve negativa para a economia local. Por exemplo, trazendo para a realidade: se eu estou com uma dívida com uma loja e não posso paga-la, o vendedor vai sentir a despesa; por isso, caso necessário, demitirá seus funcionários. E por aí vai. Demissões, economia sofrendo, falência de empresas etc.

Os personagens de South Park, no entanto, ao invés de entenderem o problema e reduzirem seus gatos para que as dívidas fossem diminuídas, recorrem ao governo para a emissão de papel moeda.  

Se uma pessoa não pode gastar mais do que ganha, imagina uma nação. Além de endividados, todavia, os habitantes da cidade ainda foram buscar a emissão monetária sem que estivessem, de fato, produzindo. A consequência? Inflação

Já entendeu onde vamos parar, não é? No episódio em questão, a série deixa a seguinte lição de moral: não gaste mais do que você recebe. Fica de conselho para os que acham que dinheiro nasce em arvore… 

Como dizia Milton Friedman, “não existe almoço grátis”. 

5. Temporada 14, Episódio 3 “Galinha Frita Medicinal” 

Foto: Filmezando

Neste episódio, a maconha medicinal, mas não a recreativa, é legalizada. Contudo, ao mesmo tempo o KFC, restaurante de frango frito, é proibido. Com isso, as associações de alimentos pouco saudáveis e os órgãos responsáveis pela maconha discutem um ponto: ninguém quer realmente viver em um mundo onde qualquer coisa que tenha a possibilidade de ser prejudicial, seja ilegal. 

Como a maioria dos episódios de South Park que lidam com a proibição, os personagens encontram maneiras de obter a substância proibida. No caso em questão, Cartman se torna um traficante de KFC e luta para fornecer o frango para a sua cidade. 

Enquanto isso, no campo da maconha, as pessoas provocam câncer nelas mesmas para abusar do sistema de cannabis medicinal.  

O que podemos tirar do episódio, portanto? Quando alguém quer muito alguma coisa, a proibição não as protege, mas as impulsiona a quebrar a lei e conquistar o “proibido” de qualquer forma. No mundo real, por exemplo, tal situação ocorreu durante o período da Lei Seca nos Estados Unidos. Ainda que ilegal, o consumo de álcool foi maior do que em tempos legalizados.  

Uma lei não vai alterar o funcionamento de uma sociedade, mas o funcionamento de uma sociedade pode alterar uma lei. Entendeu?’ 

Este texto foi uma edição de Os 5 episódios mais libertários de South Park, publicado, originalmente, no site Students For Liberty

,

Diversos Autores

Por:

Desde 2015 o Ideias Radicais busca difundir o libertarianismo e ajudar a construir uma sociedade livre.

Relacionados

BitPreço
Settee