O que esperar da África nessa década

//O que esperar da África nessa década

O que esperar da África nessa década

É natural otimismo no início de cada década, especialmente destacando o progresso que a humanidade fez desde o início do novo milênio e os marcos que nossa espécie deve alcançar até 2030.

Como vários autores destacaram, pobreza extrema, mortalidade infantil e analfabetismo caíram para mínimos históricos. A nossa espécie está mais pacífica, mais inteligente e tecnologicamente avançada do que nunca.

No entanto, olhando as tendências gerais do bem-estar global, pode ser difícil determinar como é a vida e, de fato, o que o futuro reserva para as pessoas mais pobres do mundo.

Felizmente, a previsão para a região mais empobrecida do mundo, a África Subsaariana, é promissora.

Em 2000, o The Economist descreveu a África como o “continente sem esperança”. Acrescentaram também que o “novo milênio trouxe mais desastre do que esperança para a África”. Enquanto isso, nos 20 anos desde o diagnóstico do The Economist, muita coisa mudou.

PIB triplicado

Nos últimos vinte anos o produto interno bruto (PIB) da África Subsaariana triplicou e a renda média per capita — ajustada pela inflação e pelo poder de compra — mais do que dobrou

Além das medidas econômicas, as taxas de mortalidade infantil quase reduziram pela metade e as taxas de alfabetização aumentaram em 8%. Isso pode não parecer muito, mas esse aumento significa que 136 milhões de africanos a mais podem ler e escrever desde o ano 2000.

No mesmo período, a expectativa de vida na região aumentou em mais de dez anos.

Isso significa que, a cada dia que passava, a expectativa de vida aumentava em 12 horas. Para muitas pessoas, esse aumento pode ser a diferença entre conhecer seus netos ou morrer antes de eles nascerem, por exemplo.

É importante considerar que grande parte do progresso na África apenas ocorreu desde o final dos anos 90 e coincidiu amplamente com a nova economia a africana, que é mais liberalizada. Para Marian Tupy, editora do HumanProgress.org,

Durante grande parte de sua história pós-colonial, os governos africanos impuseram controle central sobre suas economias.

Medidas como expropriação de terras privadas, controle de preços e salários, empresas estatais que impediam a concorrência e muito mais eram muito comuns.

Mas, de acordo com Tupy,

Isso começou a mudar após a queda do muro de Berlim. O socialismo perdeu muito de seu apelo e a União Soviética, que bancou e protegeu muitas ditaduras africanas, desmoronou.

Entre 1996 e 2016, a liberdade econômica no continente, medida pelo Fraser Institute, subiu de 5,1 de 10 para 6,15.

Tendências de crescimento para a África na próxima década

Obviamente, é difícil prever o futuro de uma região que contém 54 países e uma população de mais de um bilhão de pessoas. Mas observar as tendências das duas últimas décadas é um bom ponto de partida.

Como observou recentemente Mark Littlewood, diretor geral do Instituto de Assuntos Econômicos,

É claro, os pessimistas dirão que os resultados passados ​​não são garantia de desempenho futuro. Eles são tecnicamente corretos… mas o passado certamente atua como um guia razoável.

Mesmo sem mais liberalização econômica, a África Subsaariana provavelmente continuará a crescer rapidamente na próxima década.

Hoje, a renda média na região é igual à da Europa Ocidental em 1900 – aproximadamente US $ 4.000 por ano.

Até 2030, com base nas atuais tendências de crescimento, pode-se esperar razoavelmente que a renda na África Subsaariana seja igual à da Europa Ocidental em 1934 (o que seria aproximadamente US $ 5.000 por ano).

Uma quantia de US$ 5.000 por ano não é muito útil, mas é notável o fato de a África Subsaariana atingir o mesmo crescimento de renda em um período de 10 anos que a Europa Ocidental em 34 anos.

Se essas tendências continuarem, a expectativa de vida na região aumentará em mais cinco anos até 2030. Além disso, o PIB da região também deve ultrapassar US $ 2,2 trilhões.

Impacto do livre comércio

Não há garantia, é claro, de que, durante a próxima década na África, alguns governos não imponham barreiras que proíbam o comércio, fechem fronteiras, renunciem aos direitos de propriedade ou intervenham mais intensamente em suas economias – medidas que certamente reverteriam o atual progresso.

Devido à criação de um novo acordo de livre comércio em todo o continente, as políticas de liberalização econômica que sustentaram grande parte do crescimento da África nos últimos 20 anos provavelmente se acelerarão na próxima década. Afinal, o livre mercado é a maior arma contra a pobreza.

Afinal, em 1º de julho de 2020, a Área de Livre Comércio Continental Africana (AfCFTA), que está atualmente em sua fase operacional, será totalmente implementada.

O AfCFTA, que foi adotado pela União Africana (AU) em março de 2018, foi assinado por todos, exceto um dos 55 estados da AU com 29 países ratificando o acordo por meio de suas legislaturas nacionais.

Após sua introdução, a área de livre comércio recém-cunhada abolirá imediatamente 90% das tarifas sobre mercadorias comercializadas entre os estados membros.

Essa é uma excelente ação, uma vez que as Nações Unidas estimaram que o AfCFTA poderia aumentar o comércio intra-africano em mais de 50% em apenas alguns anos. Depois que as tarifas finais forem removidas, esse número provavelmente dobrará – sem dúvida, adicionando bilhões à economia da região.

Considerações finais

Durante a década de 2020, a África Subsaariana provavelmente continuará sendo uma das regiões de crescimento mais rápido do mundo. A renda média aumentará, a expectativa de vida aumentará e as taxas de mortalidade infantil continuarão em queda.

Com a introdução do AfCFTA ainda este ano, a velocidade do progresso pode até aumentar.

A África ainda tem um longo caminho a percorrer, mas devemos agradecer que o a África não é mais o “continente sem esperança”.

*Alexander Hammond é pesquisador do Cato Institute, que é um think tank libertário com sede em Washington D.C.

Gostou deste conteúdo? Então apoie o Ideias Radicais! Afinal, apoiadores recebem vários benefícios, entre eles uma carta mensal sobre o que o Ideias Radicais está fazendo, além de webinars com a equipe.

Por | 2020-05-14T08:50:33-03:00 21/02/2020|Economia|Comentários desativados em O que esperar da África nessa década