O “liberalismo” de Macri lembra mais o intervencionismo de Dilma

Após 12 anos de kirchnerianismo na Argentina, cujos governos foram marcados pela estatização de empresas, intervencionismo e manipulação de dados oficiais, Mauricio Macri elegeu-se presidente final de 2015.

A promessa era de abertura do mercado e de um estado mais enxuto. Porém, o liberalismo ficou apenas no discurso de campanha. Afinal, o governo argentino tomou diversas medidas semelhantes às adotadas por Dilma Rousseff no Brasil.

Este artigo traz um balanço do governo de Maurício Macri, com provas de que ele não foi liberal como em suas promessas.

As reformas não aconteceram

As reformas anunciadas no início de sua gestão para reverter o quadro de aumento da pobreza planejavam uma implementação gradual e lenta. Para não contrariar grupos de interesses, não houve um programa de privatização de estatais. Mesmo dentre as deficitárias, como a Aerolíneas Argentinas e a petrolífera YPF.

Porém, o governo Macri não promoveu reformas para facilitar a geração de riqueza do país. Atualmente, a Argentina é o 38º país menos livre economicamente do mundo, segundo a Heritage Foundation. Além disso, a Argentina ocupa apenas a 116º colocação entre 180 países analisados pelo Banco Mundial no ranking de facilidade de fazer negócios.

Assim, quando a recuperação econômica foi aquém da esperada, o capital político de Macri foi sendo gradativamente minado. Esta situação dificultou a implementação de novas reformas a partir do segundo ano de governo.

Entre outros fatores, o reajuste dos salários de aposentados e parte do funcionalismo público agravou o desequilíbrio das contas públicas. Consequentemente, houve também o aumento da inflação no país.

Diante disso, o governo de Mauricio Macri à frente da Casa Rosada lembra o de Dilma Rousseff quando esteve no Palácio do Planalto. E, ao menos três aspectos são abordados abaixo.

Protecionismo

A primeira delas foi em relação à política externa. No início de seu governo, Mauricio Macri prometeu o fim do protecionismo que dominava a política comercial argentina. Nesse sentido, foram promovidas algumas medidas. Mas a postura do governo mudou a partir de 2017.

Já em 2018, foram impostas novas taxas sobre importações, com as alíquotas aumentando em 2019. Durante o primeiro mandato de Dilma, políticas parecidas foram implementadas. Por exemplo, a exigência feita à Petrobras, que passou a incluir uma cota para produtos nacionais em suas compras.

Além disso, entre 2008 e 2012, o Brasil foi o sexto país que mais editou medidas anti-comerciais, de acordo com levantamento da Organização Mundial do Comércio. Isso contribuiu para que o Brasil se tornasse o segundo mais fechado comercialmente do mundo.

Interferências no Banco Central de seus respectivos países

A segunda medida de Macri que lembra o governo de Dilma foi a constante interferência no Banco Central. Mesmo com uma inflação de 24,8% em 2017, o governo argentino afrouxou a política monetária ao final daquele ano.

Na prática, o motivo era buscar a desvalorização do peso argentino para não prejudicar exportadores nacionais. Junto a outros fatores, o resultado foi o aumento da inflação para 47,6% em 2018.

Em paralelo, durante o governo de Dilma a independência do Banco Central foi atacada. A partir de abril de 2012, Dilma passou a defender enfaticamente a queda da taxa de juros da economia. Incluindo a utilização de sua equipe econômica em bancos públicos.

Assim, a selic atingiu o então menor patamar de sua história em maio de 2013. Porém, a inflação subiu rapidamente, alcançando dois dígitos, o que forçou o aumento da taxa de juros em seguida.

Congelamento de preços

Por fim, como forma de lidar com o aumento inflacionário e conter o descontentamento popular, de olho na reeleição, Macri congelou preços.

Foram tabeladas as tarifas de energia, gás, transporte público e pedágios, além de 60 produtos da cesta básica. No Brasil, Dilma fez o mesmo controlando preços administrados. Dois exemplos são os combustíveis e a energia elétrica: tudo para maquiar a inflação e aumentar as chances de vitória nas eleições de 2014. 

Considerações finais sobre o governo de Mauricio Macri

O cenário atual da Argentina é de alta inflação, cerca de 30% da população na pobreza e déficit fiscal acima de 5% do PIB. Desde 2018, o país voltou à recessão econômica.

Após a derrota de Mauricio Macri nas primárias no último domingo (12), o peso argentino afundou 25%, a Bolsa de Buenos Aires caiu 30% e os juros foram elevados em 10%, chegando a 74%.

Além disso, o CDS argentino, indicador internacional utilizado como referência para medir o risco de calote dos países, aumentou mais de 80%. Isto é, um retrato do medo que investidores possuem da chapa formada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner.

Em suma, mesmo que o “liberalismo” de Mauricio Macri tenha sido, na prática, mais parecido com o intervencionismo de Dilma, a avaliação é que nada é tão ruim quanto um retorno de Kirchner à Casa Rosada.

Luan Sperandio é Diretor de Conteúdo do Ideias Radicais.

Gostou do artigo? Então apoie o Ideias Radicais! Apoiadores recebem vários benefícios, entre eles uma carta mensal sobre o que o Ideias Radicais está fazendo, além de webinars com a equipe.

, , , , , , , ,

Avatar

Por:

Head de Conteúdo do Ideias Radicais.

Relacionados

saúde

Países mais livres têm saúde melhor

Regulamentações "tamanho único" na saúde ignoram diferenças locais nos mercados de assistência médica e de seguros, reduzindo a inovação.

, , , , , , , , , , , , , , , ,