Nacionalismo e a mentalidade coletivista

O nacionalismo depende de uma definição clara da palavra nação, sobre a qual sociólogos e filósofos políticos frequentemente discordam.

Uma nação não é uma raça nem uma cultura, porque existem nações multirraciais e multiculturais.

Nação também não é sinônimo de um território geográfico específico. Por exemplo, um americano que vive na Europa provavelmente ainda se sentirá membro da nação americana.

Nem, finalmente, uma nação pode ser equiparada a uma lealdade específica a um estado. Isso porque muitas identidades nacionais não têm estados independentes, como é o caso hoje com os curdos e tibetanos. Uma definição melhor do que essas, portanto, deve ser encontrada.

Talvez, a melhor definição de nação venha do teórico político Benedict Anderson. Ele define uma nação como uma “comunidade imaginada” de pessoas que podem transcender raça, idioma, geografia e distinções políticas e que, em certo sentido, estão fazendo história juntas.

A comunidade imaginada de Anderson é limitada pelo entendimento adicional de que de forma alguma todas as pessoas são, ou podem aspirar a ser, parte da nação.

Uma nação é um grupo interno definido por um acordo geral daqueles dentro dela. Além disso, por costume e consentimento, os membros de uma nação podem selecionar ou alterar os critérios de adesão ao longo do tempo.

Assim, algumas nacionalidades, em algumas épocas e lugares, podem ser baseadas na raça, idioma ou religião; outros em um conjunto compartilhado de valores políticos; em práticas culturais comuns em relação à alimentação, vestuário e modos.

Uma nação pode, com o tempo, passar de um conjunto de critérios para outro, e essa mudança pode ocasionalmente ser bastante radical.

Por exemplo, enquanto na era medieval, os Cornish não eram considerados membros da nação inglesa, hoje em dia geralmente são.

Soberania e “direitos”

Independente de como suas fronteiras possam ser constituídas, uma nação também é um presuntivo locus de soberania. Essa instituição tem funcionado dessa forma durante grande parte da história mundial, particularmente durante a era moderna.

Diz-se que as nações têm o “direito” de proteger suas próprias fronteiras, o “direito” de governar a si mesmas como bem entendem e até — um tanto misticamente — o “direito” de determinar seus próprios destinos, como afirmou o filósofo G. W. F. Hegel.

A filosofia do direito tremendamente influente de Hegel argumentou que uma nação era moralmente obrigada a consumar seu próprio destino por meio da criação de um estado-nação. Isto é, um estado que englobava todos os membros de uma nação e o território que eles tradicionalmente ocupavam.

Hegel argumentou que tal entidade incorpora a “vontade coletiva” da nação e, portanto, seria autorizada a agir em seu nome. O estado-nação, sustentava ele, era uma manifestação tanto da vontade nacional quanto do funcionamento impessoal da história e, por esse motivo, necessariamente exigiria obediência de seus membros.

Guerra e uso da força

O estado-nação, argumentou Hegel, tanto faria como deveria fazer guerra contra seus companheiros por causa de sua própria grandeza:

O estado em si é o todo ético, a atualização da liberdade. (…) A marcha de Deus no mundo, isso é o que o estado é.

Ou, em seu estilo usual e impenetrável,

A nação à qual é atribuído um momento da Ideia na forma de um princípio natural é encarregada de dar efeito completo a ela no avanço do autodesenvolvimento da autoconsciência de a mente do mundo.

Assim, em última análise, o nacionalismo é a crença de que nossa própria comunidade imaginada, nossa própria nação, é aquela que ocupa um lugar especial na história, e que um estado deve ser estabelecido — e armado — para alcançá-lo.

O nacionalismo declara que uma nação particular tem direitos e interesses superiores aos de outras nações e que esses direitos devem ser alcançados pela força.

No entanto, a soberania de uma nação — isto é, de um coletivo — levanta problemas profundos para os libertários, que consideram esmagadoramente o indivíduo como o único elemento moralmente relevante da sociedade e que colocam os direitos individuais à frente dos direitos ou obrigações do grupo.

Visão libertária

Na verdade, os libertários tendem a negar que direitos ou obrigações coletivas existam. Portanto, muitos libertários consideram o nacionalismo uma profunda maldição para a humanidade.

Embora os libertários não sejam de forma alguma imunes à autoidentificação nacional, e embora muitos possam sentir fidelidade patriótica ou mesmo nacionalista a várias nações, geralmente, eles também reconhecem que o nacionalismo pode ser uma força profundamente perigosa e que os direitos individuais são universais, não nacionais.

As consequências perniciosas do nacionalismo vão desde algo comparativamente benigno como tarifas contra produtos estrangeiros até o genocídio, e são extensas demais para serem resumidas em um ensaio.

Quando os membros de uma nação determinam que sua identidade nacional — isto é, sua participação em um grupo nacional — é consequência da religião, a perseguição religiosa geralmente ocorre.

Da mesma forma, perseguições baseadas na linguagem, costumes e raça surgiram repetidamente por meio de impulsos essencialmente nacionalistas.

Como o estado sempre foi visto como o realizador da grandeza nacional, os agentes do estado têm sido particularmente propensos a desconsiderar os limites de sua autoridade sempre que o nacionalismo os impele. Quase inevitavelmente, os estados foram os agentes de perseguições de inspiração nacionalista.

Aqueles que administram estados reais também fizeram muito para encorajar o nacionalismo. Essa tendência é talvez porque, sob a lógica do nacionalismo, rapidamente se torna difícil determinar com precisão de quem é a vontade que constitui a vontade nacional — mas o estado, como uma entidade bem organizada com força à disposição, normalmente chega lá primeiro.

Como disse Ludwig von Mises:

Infelizmente, há, dizem os nazistas, alemães que não pensam da maneira alemã correta (…) Isso sugeriria a infalibilidade do voto da maioria. No entanto, os nazistas rejeitaram a decisão por maioria de votos como manifestamente não alemã.

A única maneira de alguém afirmar sua própria identidade alemã era nunca afirmar nada, mas apenas esperar por uma diretiva estatal.

Nacionalismo na história

O ponto é bem ilustrado pelo que é indiscutivelmente o empreendimento nacionalista mais bem intencionado já realizado, o Tratado de Versalhes de 1919.

O tratado foi projetado para encerrar a Primeira Guerra Mundial, que em si foi inquestionavelmente um empreendimento nacionalista. Como uma salvaguarda contra guerras futuras, o tratado prometia autodeterminação nacional a todos os povos da Europa e se esforçava para dar a muitos deles uma pátria nacional.

Além disso, o tratado buscava punir as nações que perderam a Grande Guerra — uma visão consistente com a ideologia do nacionalismo, que exige vencedores e perdedores coletivos.

Finalmente, apelou para uma Liga das Nações, uma entidade governamental supranacional que iria formalmente instanciar a nação como um ator político dotado de direitos e prerrogativas além daqueles inerentes ao indivíduo.

Os historiadores geralmente concordam que o tratado foi um fracasso colossal. As medidas punitivas contra a Alemanha apenas amarguraram o povo alemão e exacerbaram o nacionalismo deles. Isso, por sua vez, levou ao surgimento do nazismo como o movimento político nacionalista mais assassino já conhecido.

Impelidos por uma sensação de que tinham contas a acertar, os nazistas logo invadiram todas as frágeis novas pátrias nacionais criadas pelo Tratado de Versalhes, um ato que a Liga das Nações foi completamente impotente para impedir.

O nacionalismo, em geral, representa uma das forças-chave inimigas da liberdade no mundo moderno. Mesmo aqueles nacionalismos que professam a liberdade ou a paz como a chave para a identidade nacional estão enraizados no coletivismo ético.

Em suma, estes são os motivos pelos quais as filosofias individualistas sempre foram céticas em relação ao nacionalismo.

, , , ,

Jason Kuznicki

Por:

Jason Kuznicki é o editor da Cato Books e da Cato Unbound, o diário de debate on-line do Cato Institute.

Relacionados

The Edge of Democracy

The 45 mistakes in The Edge of Democracy

In over two hours, most of The Edge of Democracy narrative can be boiled down to omissions, falsehoods or conspiracy theories about Brazilian politics.

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

BitPreço
Settee