“Microagressões” destroem liberdade de expressão

/, Libertarianismo/“Microagressões” destroem liberdade de expressão

“Microagressões” destroem liberdade de expressão

Por Richard W. Rahn*

Você apoia a liberdade de expressão?

E a liberdade de expressão para os céticos das mudanças climáticas?

E para homofóbicos?

Os racistas deveriam ter direito de falar o que pensam?

E os sexistas?

Você defende a liberdade de expressão até de Donald Trump?

E do Jair Bolsonaro?

Quem defende a liberdade de expressão, como fizeram os Pais Fundadores dos Estados Unidos, entendem que não se trata de defender o discurso com o qual você concorda, mas defender discursos que você discorda. Sem liberdade de expressão, não há liberdade.

Virou moda defender a criminalização das chamadas microagressões, o que inclui piadas ou outros comentários que alguém que os ouve pode achar ofensivo. O integrante do Departamento de Diversidade dos governo federal dos Estados Unidos John Robinson as definiu como “negligências, desprezos ou insultos verbais, não verbais e ambientais do cotidiano, intencionais ou não, que comunicam mensagens hostis, depreciativas ou negativas para atingir as pessoas”.

Em outras palavras, o que você ouvir pode ser considerado uma microagressão se você optar por ser ofendido.

Normas vagas, subjetivas e infinitamente elásticas são o pão com manteiga de todos os regimes totalitários. Certa vez, o chefe da NKVD, uma antecessora da KGB, Lavrentiy Beria disse a Joseph Stálin: “Você nomeia a pessoa e eu descobrirei o crime”. Isto é, o “crime” da microagressão já foi usado para reprimir e processar o discurso de quem tinha opiniões contrárias a quem tinha o poder à época.

O que você acha mais ofensivo: uma pessoa defendendo o socialismo ou um indivíduo contando piadas sobre pessoas de um olho só?

O socialismo é uma ideologia que resultou em governos matando mais de 100 milhões de seus próprios cidadãos no século passado. É fundamentado na coerção e não na liberdade. Exige servidão involuntária. Vivi um tempo considerável em países socialistas e vi os destroços humanos que o socialismo causou. Fico ofendido pela ignorância ou venalidade daqueles que se envolvem na microagressão ao defenderem o socialismo.

Há algumas décadas, eu perdi um olho, e ouvi centenas de piadas a respeito de quem tem um olho só, até por pessoas que não me conhecem. Em vez de me ofender, escolhi apreciá-los. O discurso ofensivo é totalmente subjetivo, e torná-lo um crime é incompatível com uma sociedade livre: a liberdade de expressão é a mãe de todas as liberdades.

Liberdade de expressão permite repudiar ideias ruins

Grande parte da importância do debate público se concentra na busca pela produção de bons argumentos contra ideias erradas. Ninguém deve ter o direito de impor sua visão de mundo sobre os demais, mas sim de os convencer de seus ideais e valores.

Em um ambiente em que a liberdade de expressão é devidamente respeitada, abre-se oportunidade para repudiar ideias ruins. Quando houve uma manifestação de apoio explícito ao nazismo na cidade norte-americana de Charlottesville, em 2017, por exemplo, o ato de algumas dezenas de nazistas colocou todo o movimento em debate, sendo majoritariamente rechaçado em todo o mundo.

Ideias ruins são combatidas com a liberdade de expressão.

Discursos de ódio do passado

Não faz tanto tempo que a abolição da escravatura já foi enquadrada por autoridades como discurso de ódio. De forma similar, falar que mulheres deveriam ter direito ao voto era proibido, e defender que gays poderiam se relacionar com quem quisessem poderia ser enquadrado como sodomia.

Um dos motivos de diversas mudanças sociais terem demorado tanto tempo a ocorrer foi, justamente, a proibição de discursar contra o status quo. Temas que antes já foram tabu persistiram dessa forma por muito tempo justamente por um dia, mas por muito tempo nem sequer poderiam ser abordados.

A opinião da sociedade sobre o que é uma fala aceitável ou não varia de acordo com o tempo. É natural: a cultura muda, e que bom que seja assim!

Mas para isso aconteça, a liberdade de trocar opiniões é fundamental. E é por isso que a liberdade de expressão não deve ser encarada apenas como um simples direito, mas uma forma pela qual a sociedade pode promover mudanças: o que hoje é considerado bom e virtuoso, amanhã pode ser considerado ruim e reprovável.

*Richard W. Rahn é membro sênior do Instituto Cato e presidente do Institute for Global Economic Growth

Por | 2019-10-15T11:23:08-03:00 15/10/2019|Filosofia, Libertarianismo|Comentários desativados em “Microagressões” destroem liberdade de expressão