Liberdade econômica piora no Brasil

Neste século, o Brasil registrou uma sequência de 14 anos de contínua piora no Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation. Entre 2018 e 2019, essa trajetória foi invertida, mas o último levantamento mostrou nova regressão no índice. Do score de 53,7 no relatório anterior, o país caiu para 53,4. Agora, o Brasil está na 143º colocação, empatado com Camarões, entre os 178 países analisados.

Avanços e retrocessos da liberdade econômica no Brasil

Há 12 critérios avaliados pelo levantamento da Heritage Foundation, divididos em três categorias:

  • Estado de direito;
  • Tamanho do governo;
  • Eficiência regulatória.

Todos os critérios recebem o mesmo peso no cálculo do índice, que segue de 0 a 100. Para ser considerado livre, um país precisa receber mais de 80 pontos.

Como é natural, entre cada relatório anual há avanços em alguns indicadores e retrocessos em outros. No último relatório, o Brasil avançou sensivelmente em integridade governamental; legislação trabalhista; liberdade monetária; gastos do governo e saúde fiscal. Em contrapartida, piorou nos aspectos de direitos de propriedade, efetividade judicial e liberdade de comércio.

Contudo, o indicador mais preocupante para o Brasil segue sendo o da saúde fiscal, com uma pontuação de apenas 5,3.

O déficit público no último ano foi impulsionado por gastos governamentais em busca de mitigar os efeitos sanitários e econômicos da pandemia, o que deve refletir negativamente nos próximos relatórios.

Brasil nunca foi livre, mas já foi menos pior

Em 2003, o Brasil ficou na 72ª colocação global, com 63,4 pontos. Foi o suficiente para a classificação de uma economia majoritariamente livre. De lá para cá, o país ficou menos livre enquanto a média de liberdade econômica no mundo aumentou.

Atualmente, o país é classificado como uma economia majoritariamente não-livre, estando na 24º colocação entre os 32 países da América; e com pontuação abaixo das médias regional e mundial. Em última análise, o Brasil é o 35º país mais hostil à geração de riqueza entre todos os analisados.

Até o começo da década de 2000 e ao final do primeiro mandato do governo Lula, o Brasil registrou avanços, principalmente a partir de superávits primários e das intervenções estatais mais tímidas. Entretanto, o país começou gradativamente a perder liberdade econômica e posições no ranking na última década e meia.

Casos de corrupção solaparam o quesito integridade governamental: os sucessivos déficits fiscais aumentaram a dívida pública e prejudicaram o indicador saúde fiscal; e medidas controversas deterioraram a insegurança jurídica. Além disso, maiores intervenções governamentais na economia e aumentos de tributação fizeram o tamanho do estado brasileiro aumentar.

Benefícios da liberdade econômica no Brasil e no mundo

Maior liberdade econômica está associada a maior desenvolvimento econômico e social. Contudo, gerar riqueza no Brasil e promover maior bem-estar entre os indivíduos é dificultado por um ambiente de negócios caótico.

Há correlações positivas entre liberdade econômica e melhor preservação do meio ambiente, mais educação e inovação e melhores indicadores de saúde. Dessa forma, se o país pretende avançar nessas áreas, há um norte a seguir com base nas práticas dos países que pontuam melhor no índice da Heritage.

O que deve ser feito

Para o Brasil avançar mais em liberdade econômica precisa promover reformas que melhorem os quesitos em que está pior.

Com maior transparência e medidas efetivas de combate à corrupção, como o fim do foro privilegiado ou o retorno da possibilidade da prisão em segunda instância, seria possível melhorar no quesito integridade governamental, em que o país pontua apenas 47,5.

A efetividade judicial também é má avaliada, com apenas 45,5 pontos, e seria necessário uma profunda reforma no Judiciário para haver maior celeridade nos processos e respeito às jurisprudências.

Apesar da reforma trabalhista de 2017, a liberdade laboral ainda é má-avaliada, com apenas apenas 50,7 pontos. Há, portanto, a necessidade de reformas mais profundas na CLT.

O principal quesito de melhoria é no indicador de saúde fiscal. Para isso, são necessárias medidas que equilibrem os gastos públicos, permitindo a volta de superávits fiscais. Atualmente, a projeção do Instituto Fiscal Independente (IFI) é que caso nada seja feito isso se torne possível apenas em 2033.

, ,

Avatar

Por:

Head de Conteúdo do Ideias Radicais.

Relacionados

Descubra quais são as 20 cidades mais competitivas do Brasil

Este artigo traz uma análise do ranking do Centro de Liderança Pública, que expõe em detalhes quais as cidades mais competitivas do Brasil.

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

BitPreço
Settee