A vida e obra de Friedrich Hayek: o maior filósofo político do século XX

Friedrich Hayek nasceu na cidade de Viena em 1899, sendo descendente da nobreza austríaca. Na infância e adolescência, manifestou diversos interesses, como botânica, fotografia e teatro, além de esquiar, velejar e escalar.

Até a Primeira Guerra Mundial – ocasião em que foi obrigado a lutar por um ano no front italiano pelo exército austríaco – o jovem Hayek pensava em se tornar psiquiatra. Porém, os eventos deste período, assim como a Revolução Russa, o influenciaram a mudar seus planos, encantado pela “nova ordem” e pelo socialismo.

Hayek admitiu anos mais tarde que a tentativa de resolver os males sociais aplicando o planejamento governamental e controle da economia o fascinou. Contudo, ele sempre abominou as violentas revoluções defendidas pelos marxistas.

Assim, o austríaco preferiu o socialismo fabiano que, em contraposição, propunha intervenções graduais e pacíficas.

Aos 23 anos ele já era doutor em Direito e Economia Política pela Universidade de Viena, à época entre as três melhores do mundo. Mas foi em 1922 que, ao ler a obra “Socialismo” – uma crítica devastadora ao planejamento central –, ele decidiu assistir aos seminários des Ludwig von Mises. Na época, este era o centro do debate econômico em Viena.

Logo, o professor passou a exercer profunda influência sobre a obra de Friedrich Hayek. O jovem acadêmico agora concordava com as conclusões de Mises de que o livre mercado era superior às interferências governamentais.

Inclusive, Hayek trabalhou no aperfeiçoamento dos argumentos de seu mentor.

As ideias de Friedrich Hayek

Com o apoio de Mises, ele fundou o Instituto Austríaco de Pesquisa de Ciclos Econômicos, tornando-se posteriormente professor da Universidade de Viena. Em 1929, publicou “Teoria Monetária e os Ciclos do Comércio”, obra em que expandiu a premissa de que os preços e serviços, incluindo as taxas de juros, são vitais aos empreendimentos dos consumidores e produtores.

A ideia central de Friedrich Hayek era a de que os preços continham sinais de informação, promovendo ajustes harmoniosos e espontâneos dentro de uma sociedade de mercado. Por outro lado, a intervenção do estado na economia poderia causar falhas, levando, eventualmente, a investimentos ruins. Em última análise, isto resultaria em recessões econômicas e desemprego.

Em outras palavras, para o austríaco os preços transmitem conhecimento a fim de que a economia funcione adequadamente, mas isso poderia ser distorcido por ações governamentais.

Dessa forma, desde sua primeira obra, o jovem Hayek entrou em rota de colisão com as duas tendências dominantes do pensamento econômico presente na primeira metade do século XX: o socialismo e o keynesianismo.

A impossibilidade do socialismo

Hayek participou do debate acadêmico sobre o cálculo econômico do socialismo, incrementando o argumento inicial de Mises, segundo o qual o socialismo era tecnicamente impossível. Afinal, sem o ajuste de preços baseado na propriedade privada não haveria sinais para os planejadores socialistas calcularem o valor relativo de bens e serviços.

Além disso, tampouco existiriam informações para decidirem quais métodos de produção eram mais eficientes.

O conhecimento econômico, para Hayek, estava disperso entre todos os indivíduos, o que ftornava o planejamento central desejado pelos socialistas impossível de ser realizado com a mesma eficiência da iniciativa privada. Com um alerta: uma vez posto em prática, os resultados seriam catastróficos.

Dessa forma, Hayek argumentou que as intervenções centralmente planejadas eram não apenas arbitrárias, como também poderiam ser destrutivas para a prosperidade econômica e social. Mais de 100 milhões de mortes sob o comunismo não o deixariam mentir.

O primeiro embate entre Friedrich Hayek e Keynes

No início da década de 1930, Friedrich Hayek foi convidado a ministrar palestras em Londres para expor sua visão da Grande Depressão Americana.

Sua palestra, fundamentada na ideia de que a origem da crise se devia a interferências do estado no mercado, foi considerada certeira e completa, arrebatando a plateia. Assim, foi convidado para lecionar na London School of Economics, onde ficou famoso por sua pesquisa sobre Ciclos de Negócios (booms e busts).

A partir daí, Hayek se envolveu num debate público com John Maynard Keynes, com quem disputa o título de economista mais importante do século XX.

O economista inglês era contrário à nacionalização de toda a economia apregoada pelos socialistas, mas considerava papel do governo estimular o crescimento. Ele argumentava que a única forma para superar um quadro de alto desemprego e de baixo consumo era a partir de uma intervenção governamental de larga escala e com gastos públicos.

Hayek contra-argumentava dizendo que tais medidas resultariam em inflação e que os ajustes do mercado — como se referia à recessão e ao desemprego — eram uma parte inevitável do ciclo de negócios, quando empreendedores realizavam investimentos ruins.

Mais: Hayek sustentava que a origem de toda a crise provocada pela Grande Depressão teria se dado a partir de intervenções anteriores do governo americano, que estimulou investimentos ruins do mercado. Ele concluiu que os preços deveriam flutuar sem interferência.

Além disso, o austríaco afirmava que as distorções nos preços gerada pelas intervenções sugeridas por Keynes resultariam em bens errados sendo produzidos em quantidades erradas e no tempo errado.

Hayek sugeria deixar o sistema recuperar-se naturalmente, dizendo que as intervenções artificiais defendidas por Keynes apenas adiavam e agravavam uma correção necessária. Por mais paradoxal que parecesse, a melhor solução para lidar com uma crise gerada pelo governo, segundo ele, seria “não fazer nada”.

Hayek contra A Teoria Geral do Emprego

As discordâncias entre ambos também se davam por meio do método: Keynes utilizava indicadores agregados macroeconômicos, como o percentual de desemprego e o PIB. Para Hayek, contudo, esses dados escondiam informações econômicas importantes, individualizadas e dispersas. Por conseguinte, a análise deveria se concentrar em transações individuais.

Em 1936, contudo, a obra de Keynes “Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda” representou um ataque à economia liberal clássica. Hayek não se dispôs a atacar publicamente a obra por considerar que as ideias de Keynes não teriam sucesso — o que se mostrou um grande erro. O austríaco também levou em conta o fato de Keynes frequentemente mudar de ideia após ser rebatido por ele.

Nesse sentido, a opinião pública passou a pender para o controle governamental sobre a vida econômica, e contra as ideias de Hayek. O presidente americano Franklin Roosevelt aderiu às ideias de Keynes.

Inclusive, alastrando os limites constitucionais dos Estados Unidos em relação à participação do governo na atividade econômica. Não à toa, o fim dos anos 1930 e início dos anos 1940 foram difíceis para Hayek.

A dispersão do conhecimento

Ainda na LSE, Hayek desenvolveu melhor sua Teoria da Ordem Espontânea, na qual ele argumentava que os preços transmitiam sinais de informação necessários para o funcionamento da sociedade em geral. Hayek afirmava, de forma contraintuitiva, que poderia haver ordem em uma sociedade, mesmo que não houvesse ninguém ordenando. Ademais, sociedades não poderiam ser organizadas adequadamente sem os sinais que provêm de um sistema de empreendedorismo sustentado livremente por preços e lucros.

A divisão do trabalho pensada inicialmente por Adam Smith tornou-se, na visão dele, a “divisão do conhecimento”. O mercado, portanto, seria um meio para que as pessoas pudessem se beneficiar, empregando livremente suas ideias e conhecimentos em seus propósitos de vida. Para Hayek, ao fazerem essas ações, elas estava, por intermédio de suas ações, compartilhando “conhecimento”.

Consequentemente, um planejador central não poderia reunir todo o conhecimento da sociedade para criar a mesma ordem e prosperidade que ocorre espontaneamente em um livre mercado. Se pudesse, isso impediria qualquer tipo de inovação.

A origem de seu interesse pela filosofia política

Em meio a um entusiasmo crescente pela intervenção do governo e pelo planejamento central no contexto da Segunda Guerra Mundial, Hayek mudou seu foco de interesse. Ele notou que o debate entre a economia planejada e o livre mercado não era uma questão meramente econômica, mas um ponto fundamental de liberdade política.

Friedrich Hayek percebeu que planejar a economia significava, na prática, controlar a vida das pessoas. Dessa forma, permitir que autoridades governamentais interferissem na vida econômica fixaria as bases para a ascensão do totalitarismo. Portanto, defender um papel ativo do Estado na economia era “ajudar a chocar o ovo da serpente”.

Até aquele momento, ele era considerado um economista técnico, atuante nos debates acadêmicos da época. Mas, a partir dos anos 1940, passou a se deslocar para a filosofia política.

O resultado foi sua obra mais famosa, “O Caminho da Servidão”. O austríaco estava frustrado com os muitos analistas do período que demonstravam entusiasmo pelo nazismo e fascismo. Eles acreditavam que tanto o nazismo quanto o facismo eram reações capitalistas à experiência socialista – quando se tratava justamente do contrário.

O Caminho da Servidão

Declaradamente contrário aos nazistas, o best-seller acusou o Nacional-socialismo de cometer os mesmos erros que o socialismo-marxista. Assim, o livro foi um aviso de que o resultado da experiência seria a negação da liberdade e a desumanização dos que não se encaixavam na sociedade idealizada pelos burocratas.

A despeito da preocupação de Hayek pelo comunismo e o papel global da União Soviética, o alvo do acadêmico também foi o chamado “socialismo doméstico”. Isso porque ele prenunciava a ascensão de um planejamento central proeminente a partir do governo trabalhista na Inglaterra.

O austríaco manifestou tamanho ceticismo que chegou a alertar que uma mínima intervenção governamental poderia levar a um Estado totalitário. Mesmo bem intencionado, o planejamento acabaria gerando consequências indesejadas que, por sua vez, exigiriam maiores intervenções a fim de corrigir as falhas de governo.

O livro se tornou extremamente popular na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, sendo concomitante “uma benção” e “uma maldição” na vida do professor. Por um lado, ele foi alçado ao status de um proeminente intelectual de orientação liberal em todo o mundo.

Porém, o apelo também veio acompanhado de desdém por parte dos acadêmicos que, à época, tendiam ao intervencionismo e viviam um período de pleno entusiasmo pelo New Deal.

Apesar dos apelos do livro, os Trabalhistas na Inglaterra promoveram nacionalizações de indústrias e estabeleceram um vasto Estado de bem estar social. Assim, o livre mercado perdia, cada vez mais, espaço para as ideias de Keynes.

A Sociedade Mont Pèlerin

Hayek defendia que a mudança em direção da liberdade deveria enfatizar sobretudo ideias, pois elas eram mais importantes que a atividade política.

Como forma de proteger as ideias favoráveis a uma sociedade de mercado, ele liderou, em 1947, a reunião de notáveis estudiosos para encorajar uma renovação dos fundamentos políticos, econômicos e culturais de uma sociedade livre.

Por influência do austríaco, Antony Fisher fundou o Instituto de Assuntos Econômicos na Grã-Bretanha, “a primeira usina de ideias internacionais inspiradas no professor Hayek”, dedicada à pesquisa e publicação sobre liberdade e economia de livre mercado.

think tank foi decisivo para influenciar o debate público britânico e políticos a ele ligados foram eleitos, apregoando ideias antes impensáveis ao eleitorado.

A Constituição da Liberdade

Em 1950, Friedrich Hayek vai para a Universidade de Chicago, um dos frontes acadêmicos na defesa de livre mercado mais relevantes do mundo. Neste período, contribuiu à psicologia e à história, além de ter realizado seu trabalho mais ambicioso, o “A Constituição da Liberdade”.

Na obra, o professor defendeu que o papel do estado era assegurar a liberdade e o progresso humano a partir do Império da Lei. Assim como, reafirmou que a atuação do governo só era aceitável quando fosse para manter o funcionamento espontâneo do mercado e para impedir agressões de indivíduos.

Na obra, Hayek defendia veementemente a propriedade privada e os contratos. Ele escreveu que uma sociedade livre somente seria possível a partir de regras que se aplicassem a todos, inclusive ao Estado, capaz de agir contra forças coletivistas que ameaçassem solapar o primado da lei.

Para ele, a Lei é baseada em precedentes. Ou seja, compõe um sistema de tentativas e erros, no qual os princípios sociais mais eficazes são passados de geração em geração.

Estes princípios, por sua vez, são consolidados e refinados ao longo do tempo pelos costumes, tradição e experiência, dando origem à justiça, à propriedade privada e ao contrato.

A Lei permitiria a liberdade, na medida em que criaria uma estrutura racional dentro da qual os indivíduos podem viver sua vida. Já as regras da sociedade deveriam ser gerais. Isto é, estavam vetados comandos centralizados específicos, que poderiam abrir brechas à distribuição de privilégios.

O austríaco ainda argumenta que a legislação deveria dizer aos indivíduos o que não poderiam fazer de modo a não causar danos a outros indivíduos, mas jamais deveria dizer o que os indivíduos deveriam fazer.

Por fim, Hayek entende que o governo talvez precise garantir um mínimo de proteções específicas, como nas áreas da saúde e do meio ambiente, mas de forma subsidiária e específica.

Prêmio Nobel em Ciências Econômicas

Em meados dos anos 1960, Hayek recebeu convite para lecionar em Freiburg, na Alemanha Ocidental, e voltou a desenvolver suas ideias sobre ordem espontânea. Seu objetivo era publicar um extenso trabalho em três volumes, expandindo suas preocupações expressas em “A Constituição da Liberdade”.

Mas os anos de nadar contra a maré acadêmica e opinião popular cobraram seu preço: o professor Hayek foi acometido por uma profunda depressão, atordoado com a ideia de que toda sua vida tinha sido um enorme desperdício. O nível de abatimento era tamanho que, na maioria das vezes, nem sequer permitia que ele saísse de sua cama.

O inesperado Nobel em Ciências Econômicas de 1974, entretanto, significou para ele sua consagração profissional. Sua reputação foi revitalizada, assim como sua energia e saúde, e Hayek voltou a ter um enorme rendimento intelectual.

As últimas obras de Friedrich Hayek

Nesse contexto, ele concluiu a obra “Direito, Legislação e Liberdade”. No livro, ele critica veementemente o termo “Justiça Social”. Para Hayek, a justiça verdadeira seria a igualdade genuína dos indivíduos sob o império da Lei.

Nesse sentido, ele considerava ainda que a mera condição diferente entre indivíduos e grupos, caso não fosse resultado de intervenções governamentais não implicaria na falta de justiça social.

Outra contribuição da obra é sua análise de que a democracia, per se, não necessariamente seria proteção suficiente para garantir a liberdade. Friedrich Hayek propôs, para tanto, uma ordem constitucional que limitasse o poder do governo de interferir na ordem espontânea da sociedade.

Ao contrário da ideia de que é a opinião da maioria o que determina aquilo que o governo faz, Hayek mostra que um governo buscar satisfazer grupos de interesses a fim manter sua governabilidade.

No início dos 1970, as ideias de Hayek começavam a ter maior influência perante a verificação de uma estagflação – aumento de inflação simultaneamente com altos índices de desemprego -, contrariando em larga medida os keynesianos.

No Reino Unido, a Primeira-Ministra Margaret Thatcher mudou os rumos da economia britânica essencialmente a partir das teorias de Hayek. Já Ronald Reagan, então presidente dos Estados Unidos, conduziu a economia baseado parcialmente nas ideias do austríaco.

Sua última obra, “Os Erros Fatais do Socialismo”, foi publicada em 1988. Trata-se de uma crítica à presunção de que instituições sociais e suas práticas herdadas simplesmente podem ser alteradas ou abolidas para servir a objetivos momentâneos de reformas radicais.

Ainda em vida, ele recebeu reconhecimentos do governo austríaco, da Rainha da Inglaterra e do presidente americano George H Bush.

O renascimento das ideias de Friedrich Hayek e da Escola Austríaca

Hayek testemunhou a Queda do Muro de Berlim e o fim da União Soviética, vítimas do planejamento governamental impraticável e de crescente pressão por liberdade. Fatos que contribuíram à visão de toda a sua obra, que afirmava ser o socialismo uma visão de sociedade condenada ao fracasso.

A partir daí, consolidou-se novo consenso acadêmico enfatizando o papel restrito do Estado. Mas, os métodos da Escola Austríaca defendidos por Hayek continuaram, em grande parte, marginalizados até a Crise do subprime.

Em 2007-08, o subsequente resgate dos bancos provocaram interesse renovado por suas doutrinas. Inclusive, o socorro aos bancos promovido pelo governo americano foi considerado, por boa parte da opinião pública e acadêmica, uma interferência injustificada no mercado.

Em meio a uma economia dominante e em frequente estado de agitação, a Escola Austríaca teve oportunidade de exercer nova influência acadêmica e no debate público.

O principal legado de Friedrich Hayek, entretanto, talvez seja sua postura exemplar como defensor da liberdade. No início de sua carreira, ele foi considerado um proeminente economista, mas, diante de suas visões impopulares, foi rejeitado e ridicularizado por seus próprios pares.

Mesmo assim, não cedeu às pressões e manteve ao longo de toda sua vida a coerência de apoio à propriedade privada e aos mercados livres. Bem como, um profundo ceticismo diante da capacidade dos governos de moldar a sociedade.

Esse é o melhor exemplo deixado pelo maior filósofo político do século XX e que o torna um homem cuja obra deve ser lida e admirada em todas as épocas.

Luan Sperandio é Head de conteúdo no Ideias Radicais

Gostou do artigo? Então apoie o Ideias Radicais! Apoiadores recebem vários benefícios, entre eles uma carta mensal sobre o que o Ideias Radicais está fazendo, além de webinars com a equipe.

, , , , , ,

Avatar

Por:

Head de Conteúdo do Ideias Radicais.

Relacionados