Quem foi Edmund Burke: o pai do conservadorismo

Edmund Burke, um político e filósofo britânico nascido na Irlanda, serviu na Câmara do parlamento irlandês por quase 30 anos e foi autor de um extenso e influente corpo de discursos e livros.

Convencionalmente considerado o “pai do conservadorismo”, Burke era um Whig cuja influência no liberalismo clássico era considerável. Embora sua rica obra se estenda por quatro décadas, Burke se tornou mais famoso por uma série de obras escritas nos últimos sete anos de sua vida em oposição veemente à Revolução Francesa.

Entre essas obras estão Reflexões sobre a Revolução na França (1790), seguido por publicações com um tema semelhante, como Um apelo dos Novos Whigs aos Velhos Whigs (1791) e Letters on a Regicide Peace (1796).

Burke nunca escreveu um tratado teórico explicitando sistematicamente sua filosofia de governo. Embora sua Vindicação da Sociedade Natural, publicada em 1756, oferecesse uma defesa hábil do anarquismo, Burke mais tarde afirmou que era apenas uma sátira.

Seus escritos eram frequentemente motivados por crises políticas e, portanto, eram tentativos e ocasionais. Como resultado, comentaristas posteriores acusaram Burke de inconsistência. No entanto, não é difícil ver que Burke aderiu a uma filosofia principal centrada em seu conceito de liberdade ordenada.

Como Whig, Burke defendeu o acordo político de 1688, quando os ingleses se rebelaram contra um rei que se recusara a ter seu poder reduzido pelo Parlamento ou pela “antiga constituição” da Inglaterra.

A crença dos Whigs no governo limitado e constitucional surgiu mais claramente na posição de Burke sobre três grandes causas políticas:

  • Sua oposição às tentativas de George III de limitar o poder do Parlamento;
  • O poder arbitrário exercido pela Grã-Bretanha sobre suas colônias na América, na Irlanda e na Índia;
  • A derrubada da antiga ordem durante a Revolução Francesa.

Ideias sobre política e filosofia

Edmund Burke rejeitou todo abuso de poder resultante de ignorar os limites impostos à autoridade política pelas constituições. Além disso, Burke reconheceu a existência de uma “constituição inalterável das coisas”, da qual se poderia derivar um conceito de lei natural.

Em suas obras anti-revolucionárias, Burke atacou a filosofia radical do Iluminismo francês, que ele considerou ter inspirado a Revolução Francesa.

Influenciado por escritores do Iluminismo escocês, como David Hume e Adam Smith, Burke advertiu que a sociedade é de uma ordem de complexidade tal que nenhuma mente, por mais refinada que seja, pode compreender completamente todas as suas partes entrelaçadas.

A tradição, os costumes e as maneiras que formam nossas instituições sociais são inestimáveis, ​​porque são produtos de inúmeras mentes que interagem. Para Burke, elas representam o passado e o presente, sendo depósitos da sabedoria de eras.

Os franceses rejeitaram esse conhecimento implícito como superstição. Ao invés disso, eles procuraram reordenar a sociedade de acordo com teorias abstratas, o que o herdeiro intelectual de Burke, F. A. Hayek, chamaria de construtivismo mais tarde.

Edmund Burke acreditava nos direitos dos homens, mas não nos “direitos naturais” absolutos, direitos que antecedem as instituições sob as quais vivemos. Na sua opinião, os direitos que possuímos por natureza são apenas aqueles que os homens têm no estado de natureza rude — o estado pré-político e primitivo em que cada homem é seu próprio juiz e executor.

Na sociedade civil, os homens têm direitos derivados de circunstâncias históricas reais. Isso inclui o direito à justiça entre seus companheiros, aos frutos de seu trabalho e, de fato, a fazer o que puderem fazer separadamente, sem invadir os outros.

Pensamento econômico de Edmund Burke

Em economia, como dizia Adam Smith, Edmund Burke e ele pensavam exatamente da mesma forma. O principal trabalho econômico de Burke, Pensamentos e Detalhes Sobre a Escassez (1795), foi escrito para o primeiro-ministro William Pitt em oposição a uma proposta de que o governo subsidiasse ​​os salários agrícolas.

O trabalho foi publicado postumamente em 1800. Nele, Burke não viu nenhum papel para o estado na vida econômica. Ele acreditava que não é prudente o estado suprir as necessidades do povo, porque o governo pode fazer “muito pouco bem positivo nisso ou talvez em qualquer outra coisa”.

Segundo Burke, a redistribuição estatal da riqueza prejudica os ricos sem fazer nenhum bem aos pobres. Ele defendeu a liberdade de contrato contra “os fanáticos da seita da regulamentação” e defendeu o comércio não regulamentado.

As leis do comércio são as leis da natureza, escreveu Burke, e são violadas pelo risco do homem. Assim, perturbar o equilíbrio do mercado colocaria o “machado à raiz da própria produção”.

Embora tenha sido aclamado pelos historiadores do pensamento político como o pai do conservadorismo moderno, as conclusões de Edmund Burke frequentemente refletiam a doutrina predominante dos Whig. Especialmente, em sua oposição à política do governo em sua disputa com as colônias americanas.

, , , , , , , , ,

Relacionados

BitPreço
Settee