Como o Brasil se condenou a ficar pobre ao fechar sua economia

//Como o Brasil se condenou a ficar pobre ao fechar sua economia

Como o Brasil se condenou a ficar pobre ao fechar sua economia

Por Luan Sperandio*

Os impostos cobrados para importar produtos para o Brasil são os maiores entre os países emergentes e desenvolvidos. Os argumentos para justificá-los são sempre os mesmos: “é necessário proteger o produto nacional da concorrência de tal país”, “o setor gera tantos mil empregos”, “precisamos valorizar o que é produzido por aqui”. Porém, nada disso se sustenta à luz da vasta literatura econômica sobre o assunto. 

O país mais fechado que Cuba

Estudo da Inter B Consultoria, com base em dados do Banco Mundial, mostrou que a média de participação do comércio exterior brasileiro em relação ao PIB entre 2009 e 2015 foi de 24%. O país está atrás somente de Myanmar, com 22%. A média global é superior ao dobro: 51,3%.

As barreiras chanceladas pelo estado brasileiro são tamanhas que somos mais fechados ao comércio internacional do que Cuba, um país que historicamente reclama de sofrer um embargo comercial. O Brasil, portanto, se impôs um embargo próprio. Segundo levantamento de Greg Mankiw, 93% dos economistas concordam que tarifas e cotas de importação geralmente reduzem o bem-estar econômico geral.

Além disso, ao inibir a competição estrangeira, o governo obriga os consumidores brasileiros a pagarem mais caro em produtos de menor qualidade: a muralha comercial brasileira retira anualmente R$ 130 bilhões do bolso dos consumidores. Paradoxalmente, movimentos que dizem defender os direitos dos consumidores não se opõe a nada disso.

Há o entendimento de que, ao dificultar importações, o saldo pode ser positivo para o setor beneficiário, mas ninguém concorda que o resultado será profícuo em relação ao restante do país. Conforme explica o economista Marcos Lisboa, há uma forte causalidade entre o protecionismo e a produtividade. Diversos trabalhos acadêmicos demonstram empiricamente que, quando a proteção do governo sobre determinado setor cai, a produtividade sobe; já quando a proteção sobre o setor aumenta, a produtividade cai. A razão é relativamente simples: diminuir barreiras alfandegárias facilita o acesso a insumos e a bens de capital mais eficientes.

O isolacionismo comercial é considerado o principal fator para que o Brasil seja apenas o 61º colocado entre 63 países do ranking de competitividade global. Em virtude dos altos custos de produção e da impossibilidade de se obter melhores insumos, ser eficiente e competitivo no Brasil se torna uma tarefa hercúlea.

O argumento de que o protecionismo é necessário a fim de proteger empregos também não se sustenta. Estudo recente da Secretaria de Assuntos Especiais, ligada à Secretaria Geral da Presidência, estimou o impacto que uma abertura comercial teria sobre 57 diferentes setores em longo prazo: em só 3 deles haveria redução no emprego setorial maior que 0,5%. Por outro lado, 75% deles teriam uma expansão do emprego. Estima-se também que uma abertura resultaria em uma redução de cerca de 5% no nível geral de preços. Bens dos setores mais protegidos, como automóveis, maquinários e têxteis, teriam queda de até 16%.

Por fim, ser contra a abertura comercial em nome da proteção à indústria nacional significa ir na contramão do que aconselha a literatura econômica. Ela restringe os ganhos do comércio, e, logo, ser contra os consumidores brasileiros — especialmente os mais pobres.

Dessa forma, todos os argumentos favoráveis ao protecionismo — empregos, produção nacional, patriotismo — são apenas cortina de fumaça a fim de defender privilégios. O status quo favorece o empresariado já estabelecido, que se furta de competir com empresas estrangeiras mais produtivas com a chancela e conivência do estado brasileiro.

*Luan Sperandio é Diretor de Conteúdo do Ideias Radicais

Por | 2019-08-09T13:24:37-03:00 09/08/2019|Economia|Comentários desativados em Como o Brasil se condenou a ficar pobre ao fechar sua economia