Como as grandes empresas usam o próprio dinheiro

/, Empreendedorismo/Como as grandes empresas usam o próprio dinheiro

Como as grandes empresas usam o próprio dinheiro

O que as maiores e mais famosas empresas do mundo fazem com o dinheiro delas? É verdade que elas dormem em cima de montanhas de moedas de ouro como o Tio Patinhas? Alguns acreditam que isso é verdade.

No entanto, a verdade é que as empresas estão constantemente investindo seu dinheiro em outras operações, em vez de simplesmente deitar em seu capital. 

Capturar participação de mercado é um processo competitivo, que exige reinvestimento e inovação constantes. Por esse motivo, algumas das maiores empresas do jogo reduzem as margens de lucro para se manter no topo do jogo. 

Vamos dar uma olhada no que algumas dessas empresas realmente fazem com seu dinheiro.

Amazon

Não é segredo que a Amazon é uma das maiores empresas do mundo (28ª na lista Global 2000 da Forbes). A Amazon reportou uma receita impressionante de US$ 232,9 bilhões em 2018.

No entanto, apenas no lucro, eles levaram apenas US$ 10,1 bilhões. Essa é uma margem de lucro inferior a 5%.

O Headway Capital, no fluxograma acima e no resumo abaixo, detalha como os US$ 222 bilhões restantes são gastos:

A Amazon (…) favoreceu fortemente o crescimento sobre os lucros, reinvestindo grande parte de sua receita em melhorias em sua infraestrutura de entrega de última milha, na expansão de sua base de associados Prime e no desenvolvimento de novos empreendimentos comerciais. A gigante do comércio eletrônico não obteve lucro até o último trimestre de 2001 e teve vários trimestres não lucrativos desde então.

Nike

Uma das maiores marcas de roupas e patrocinadora da NFL, NBA e centenas de faculdades e atletas, a Nike ocupa a 280ª posição na lista Forbes Global 2000.

Além disso, ela foi a terceira maior empresa de vestuário do mundo em 2018, superando a Adidas, atrás apenas de Christian Dior e Zara.

Naquele ano, a Nike gerou 36,4 bilhões de dólares em receita, mas apenas US$ 1,93 bilhão em lucro. Essa é uma margem de lucro de cerca de cinco por cento.

Então, para onde foi toda a receita? a Headway Capital explica,

Uma das maiores despesas da Nike é a promoção e o fortalecimento de sua marca. No ano fiscal de 2018, a Nike gastou US$ 3,6 bilhões em “criação de demanda”. Isso consiste em custos de publicidade e promoção, incluindo contratos de endosso, televisão, digital e publicidade impressa.

A Nike também está gastando mais em suas lojas físicas e cadeia de distribuição, enquanto tenta aumentar suas ofertas de varejo diretas ao consumidor. A Nike gastou US$ 7,9 bilhões em despesas operacionais no ano fiscal de 2018, um aumento de 9,9% em relação ao ano anterior.

Uber

Embora a Uber não tenha entrado na Forbes Global 2000, ela ainda merece análise. A empresa relativamente nova opera com prejuízo.

No segundo trimestre de 2019, ela perdeu 5,2 bilhões de dólares e teve seu crescimento de receita mais lento de todos os tempos.

Em 2018, a Uber registrou US$ 9,8 bilhões em receita e pouco menos de US$ 1 bilhão em lucro. Essa é uma margem de lucro de cerca de dez por cento.

Então, como a Uber, a maior entre as empresas de ridesharing do mundo, gastou seu dinheiro? De acordo com a Headway Capital,

A empresa tem custos de crescimento significativos quando se muda para uma nova cidade, gastando em bônus para recrutar novos motoristas e descontos em viagens para atrair novos clientes.

A Uber também investe pesadamente em Pesquisa e Desenvolvimento, gastando US$ 457 milhões em carros autônomos e outras tecnologias avançadas, além de US$ 1 bilhão em outras despesas do tipo.

Embora alguns desses empreendimentos, como o Uber Freight, tenham se mostrado promissores na forma de receitas crescentes – capturadas no segmento “other bets”, investidores parecem não ter tanta paciência com a estratégia de crescimento sobre o lucro da Uber.

As ações da Uber caíram 7,6% no dia de seu IPO em 10 de maio de 2019, perdendo um valor coletivo de US$ 618 milhões em valor – a maior perda em dólar na história do IPO nos EUA desde 1975.

Disney

Mundialmente famosa, a segunda maior empresa de mídia do mundo em 2019 e a nº 70 na lista da Forbes Global 2.000 em 2018, The Walt Disney Company, relatou uma receita de US$ 59,43 bilhões e um lucro de US $ 13,06 bilhões. Essa é uma margem de lucro de quase 22%.

Esse é um lucro substancial. Mas para onde foram os outros US$ 46 bilhões? Como relata a Headway Capital, a Disney está constantemente despejando receita em outras propriedades de mídia e novas operações digitais.

A Disney adquiriu várias outras empresas de entretenimento no século XXI, como a Pixar em 2006, a Marvel Entertainment em 2009, a Lucasfilm em 2012 e, mais recentemente, os ativos de cinema e TV da 21st Century Fox em março de 2019.

A Disney pode então utilizar novas propriedades em seus segmentos de negócios, produzindo quatro filmes de Guerra nas Estrelas desde a aquisição da Lucasfilm e anunciando mais quatro até 2026.

Abriu também parques com tema de Star Wars na Disney World e Disneyland em 2019 e está vendendo mercadorias de Star Wars em suas lojas de varejo da Disney, por exemplo.

Outras grandes propriedades de propriedade majoritária da The Walt Disney Company incluem ABC, ESPN e Hulu.

Por fim

Em conclusão, uma análise das empresas anteriores, talvez excluindo a Disney, revela que algumas das maiores empresas do mundo possuem margens de lucro apertadas comparadas com suas receitas.

Dessa forma, não é lógica a afirmação de que essas empresas são megalítos facilmente tributáveis, isto é, aumentar impostos sobre elas provavelmente significaria em matar o setor em que elas atuam.

As maiores e mais dominantes empresas do mundo hoje não são necessariamente as mais rentáveis.

Na tentativa de estabelecer um fluxo de receita, algumas empresas sacrificam o lucro a curto prazo e reinvestem a maior parte de sua receita na aquisição de clientes e na infraestrutura da cadeia de suprimentos.

Os políticos deveriam levar isso em consideração para decidir que setores podem aguentar mais tributos, isso se um dia eles conseguirão entender a diferença entre lucro e receita.

*Tyler Brandt é editor da Foundation for Economic Education.

Gostou deste conteúdo?Então apoie o Ideias Radicais! Afinal, apoiadores recebem vários benefícios, entre eles uma carta mensal sobre o que o Ideias Radicais está fazendo, além de webinars com a equipe.

Por | 2020-05-14T08:55:30-03:00 04/03/2020|Economia, Empreendedorismo|Comentários desativados em Como as grandes empresas usam o próprio dinheiro