Como Boris Yeltsin abandonou o comunismo ao ir um supermercado

Em 16 de Setembro de 1989, Boris Yeltsin, então recém-eleito ao novo parlamento soviético e ao Soviete Supremo, tinha acabado de visitar o Centro Espacial Johnson (JSC, sigla em inglês).

Lá ele visitou o controle da missão e uma maquete de uma estação espacial. De acordo com a repórter do Houston Chronicle, Stefanie Asin, não foram todas as telas, medidores e maravilhas da NASA que o deixaram impressionado, mas sim uma visita não marcada a uma loja da rede Randall’s, no Texas.

Yeltsin, então com 58 anos, “percorreu os corredores da Randall’s balançando a cabeça em admiração”, escreveu Asin. Ele falou para seus camaradas russos em sua comitiva que caso seu povo, que geralmente precisava esperar em filas para a maioria dos bens, visse as condições dos supermercados dos Estados Unidos, “haveria uma revolução”.

Consumidores e empregados o pararam para apertar sua mão e dizer um “olá”. Em 1989, nem todos carregavam um celular com câmera no bolso, então não tinham como tirar “selfies” com o camarada Yeltsin.

O líder russo perguntou aos consumidores sobre o que eles estavam comprando e quanto iria custar, logo após perguntou ao gerente da loja se precisava de educação superior para gerenciar uma loja.

Nas fotos do jornal, você pode vê-lo se maravilhando na seção de produtos, na prateleira de peixes frescos e no balcão de pagamento. Ele parecia especialmente interessado nos iogurtes congelados.

 “Nem mesmo o Politburo tem essas opções. Nem mesmo o Sr. Gorbachev”, ele disse.

O fato que havia lojas como essas em praticamente todas as ruas dos EUA o deixaram maravilhado. Até ofereceram a ele amostras grátis de queijo. De acordo com Asin, Yeltsin não saiu de mãos abanando, já que foi dada uma pequena sacola com produtos para ele apreciar na viagem de volta.

Como a ida ao supermercado fez Yelsin desistir do comunismo

Cerca de um ano depois do líder russo deixar o cargo, um biógrafo de Yeltsin depois escreveu que na viagem de avião para o próximo destino de Yeltsin, Miami, ele estava abatido. Ele não conseguia parar de pensar sobre a abundância de comida na mercearia e que seus concidadãos tinham de subsistir na Rússia.

Na própria autobiografia de Yeltsin, ele escreveu sobre a experiência na Randall’s, que destruiu sua visão sobre o comunismo, de acordo com especialistas. Dois anos depois, ele deixou o Partido Comunista e começou a fazer reformas para mudar a maré econômica na Rússia. Você pode culpar aqueles deliciosos iogurtes congelados por isso.

Yelsin escreveu:

“Quando eu vi aquelas prateleiras abarrotadas com centenas, milhares de latinhas, embalagens e produtos de todos os tipos possíveis, pela primeira vez eu me senti, francamente, bastante mal com o desespero do povo soviético. (…) [Q]ue um país potencialmente tão rico como o nosso foi levado a tal estado de pobreza! É terrível só de pensar”.

Yeltsin morreu em 2007 aos 76 anos. A loja Randall’s que ele visitou, na El Dorado Boulevard com a Rodovia 3, agora é uma Food Town.

Por Craig Hlavaty

, , ,

Diversos Autores

Por:

Desde 2015 o Ideias Radicais busca difundir o libertarianismo e ajudar a construir uma sociedade livre.

Relacionados

guerra às drogas

A história mostra que a Guerra às Drogas falhou

Libertários se opõem à guerra às drogas porque ela viola os direitos individuais e, historicamente, a exemplo da Lei Seca, ela se mostrou ineficiente.

, , , , , , , , , , , , , , , , ,

BitPreço
Settee