Por que o Bitcoin pode ser o fim das moedas fiduciárias

O Bitcoin atingiu outro marco em fevereiro, com seu valor total subindo para mais de US$1 trilhão pela primeira vez. Este movimento vem na esteira de uma grande recuperação, que viu o ativo crescer mais de 360% nos últimos quatro meses.

Nesse sentido, é a crescente conscientização e aceitação de criptomoedas por grandes instituições que está alimentando essa escalada. A Tesla, por exemplo, anunciou recentemente que agora possui US$1,5 bilhão em Bitcoin e que aceitará Bitcoin como pagamento por seus carros.

Há mudanças também fora do setor privado. Recentemente, o prefeito de Miami anunciou que a cidade planeja criar a opção de pagar aos trabalhadores ou coletar impostos em Bitcoin.

Por que tanta animação

Um dos principais motivos pelos quais as pessoas estão comprando Bitcoin é porque estão enxergando essa moeda como uma oportunidade de investimento. E, com sua taxa de crescimento atual, não é difícil entender isso. Mas o fato de a Tesla e a cidade de Miami estarem se preparando para aceitar o Bitcoin como pagamento destaca que o Bitcoin é muito mais do que apenas outro ativo.

Ambições para Bitcoin sempre foram maiores do que isso. Na verdade, o Bitcoin foi criado para ser o futuro do dinheiro.

Claro, vai demorar muito para destronar o dólar como uma das moedas dominantes no mundo, mas muitos proponentes do Bitcoin estão otimistas de que isso pode acontecer. Alguns até previram que um “padrão bitcoin” um dia substituirá o padrão em dólares que atualmente consideramos garantido.

Mas, como seria isso?

Imagine se tudo o que você viu à venda – seja na Amazon, na concessionária de automóveis ou no supermercado – tivesse o preço em bitcoins em vez de dólares. Claro, isso pode parecer improvável, mas diferentes moedas subiram e caíram antes. Portanto, não há razão para supor que isso não poderia acontecer.

Agora, se quisermos entender se o Bitcoin superará o dólar na competição, a pergunta-chave que precisamos fazer é qual moeda é mais adequada para funcionar como dinheiro.

O que isto significa?

Bem, os economistas observam que o dinheiro tem três funções: é um meio de troca; uma reserva de valor; e uma unidade de conta. Então, vamos ver como o Bitcoin se compara ao dólar no fornecimento de cada uma dessas funções.

Bitcoin como meio de troca

Um meio de troca é qualquer mercadoria usada para facilitar o comércio, como ouro, prata ou dólares. Os meios de troca são úteis porque nos permitem acumular mercadorias amplamente aceitas como forma de pagamento, o que torna mais fácil comprar o que queremos.

Quando muitas pessoas estão dispostas a aceitar uma determinada mercadoria como pagamento, diz-se que a mercadoria é muito líquida. A liquidez é uma característica importante do dinheiro, porque é o que o torna útil como meio de troca. Assim, os melhores meios de troca são os de maior liquidez, porque são mais onipresentes do que qualquer outra coisa.

Moedas fiduciárias como o dólar obviamente têm uma grande vantagem sobre o Bitcoin nesse aspecto, mas também apresentam algumas deficiências nessa área. Por um lado, pode ser difícil usá-los em países estrangeiros. Além disso, o acesso a instituições bancárias estabelecidas é limitado em muitas partes do mundo, tornando difícil para as pessoas participarem da economia.

O Bitcoin, por outro lado, é universal e qualquer pessoa com conexão à Internet pode acessá-lo. Assim, à medida que um número crescente de pessoas está disposto a aceitar o Bitcoin como pagamento, poderíamos facilmente vê-lo ultrapassar as moedas fiduciárias como o ativo mais líquido do mundo.

Outro recurso importante para os meios de troca é a segurança, e aqui o Bitcoin tem uma vantagem clara. A rede Bitcoin consiste em milhares de computadores em todo o mundo e eles verificam as transações constantemente. Essa configuração descentralizada torna quase impossível hackear, o que significa que o Bitcoin é mais seguro do que qualquer outra das moedas existentes.

Bitcoin como reserva de valor

Quando economizamos dinheiro, por exemplo, esperamos que ele mantenha seu poder de compra ao longo do tempo para que possamos esperar o melhor momento para gastá-lo.

Embora o valor do dinheiro flutue naturalmente à medida que a economia muda, também podem ocorrer mudanças mais perniciosas no valor. O principal deles é a inflação, que ocorre quando bancos centrais como o Federal Reserve literalmente imprimem moeda, por exemplo.

Mas, apesar de a inflação ser atraente para governos que preferem não tributar seus cidadãos de forma mais explícita, ela cria problemas significativos na economia. Não só desestimula a poupança ao desvalorizar a moeda, mas também introduz distorções nos preços que inevitavelmente fazem com que os recursos sejam mal alocados.

A chave para mitigar a inflação é dificultar a produção de dinheiro. Se o fluxo de novos suprimentos puder ser refreado, a moeda não será degradada tão rapidamente.

É aqui que o Bitcoin é particularmente único. Com a forma como o protocolo é codificado, a criação (mineração) de novos Bitcoins se torna mais difícil com o tempo. Isso significa que menos Bitcoins estão sendo extraídos a cada ano, de modo que a taxa de inflação está constantemente diminuindo.

Além do mais, no ano de 2140, a mineração de Bitcoins irá parar completamente, resultando em uma soma total de 21 milhões de Bitcoins. Depois disso, será impossível criar novos Bitcoins. Não apenas difícil. Impossível.

O que isso significa é que o Bitcoin tem uma escassez absoluta por design. Isso o torna completamente imune à degradação do governo, razão pela qual tem tanto potencial como uma reserva robusta de valor.

Bitcoin como uma unidade de conta

O teste final de uma moeda é se ela se torna uma unidade de conta, o que significa que os preços são expressos usando essa moeda como padrão. O Bitcoin ainda está muito longe dessa posição cobiçada, mas dada sua superioridade indiscutível como meio de troca e reserva de valor, é bem possível que um dia falemos de um padrão de Bitcoin.

O interessante sobre mudar nosso padrão é que, de repente, toda a nossa perspectiva muda. Por exemplo, enquanto o padrão fiduciário descreveria a volatilidade recente como um aumento dramático no preço do Bitcoin, um padrão Bitcoin descreveria o mesmo evento como um colapso no valor fiduciário.

E essa, talvez, seja a verdadeira razão desta notícia ser tão emocionante.

Pelo que sabemos, poderíamos muito bem estar testemunhando o início do fim das moedas fiduciárias. É impossível saber o que o futuro reserva, é claro, mas com cada alta do Bitcoin, parece cada vez mais provável que os dias das moedas fiduciárias estejam contados.

E no que me diz respeito, isso é algo que vale a pena comemorar.

,

Patrick Carroll

Por:

Patrick Carroll é Engenheiro Químico pela Universidade de Waterloo e escreve para a Foundation for Economic Education.

Relacionados

BitPreço
Settee