A falácia do malthusianismo, o mito de Thomas Malthus

“O crescimento infinito é incompatível com um mundo finito” – disse o filósofo francês Serge Latouche em seu Pequeno Tratado sobre o Descrescimento Sereno. A frase parece bem intuitiva para a maioria das pessoas. Afinal, se o nosso mundo tem limites, o aumento infinito da extração de recursos naturais necessariamente vai nos levar mais próximos aos limites do nosso mundo.

Mas Latouche não foi o primeiro a chegar a essa intuitiva conclusão. Há mais de 200 anos, em 1798, o famoso economista inglês Thomas Malthus publicou seu Ensaio sobre os Princípios da PopulaçãoNele, Malthus deduziu que a humanidade estaria necessariamente condenada à pobreza e fome no futuro. Para ele, a produção de alimentos estava limitada ao uso de mais terra – e por isso ela crescia lentamente, de forma linear. Já a população humana cresceria de forma muito mais rápida – exponencialmente.

Colocando essas duas coisas juntas, a conclusão parecia óbvia e intuitiva: como há uma quantidade finita de terra, a capacidade de aumentar a produção de alimentos estaria limitada; como há uma limitação na produção de alimentos, a humanidade estaria condenada à fome. Para Malthus, o crescimento populacional infinito era incompatível com uma produção agrícola finita.

Existe algo além de um mundo finito?

Por um bom tempo, Malthus parecia estar certo. A única forma de aumentar a produção de alimentos era incrementar a quantidade de terra utilizada para a agricultura. Mas, no começo do século XX, avanços tecnológicos levaram à expansão do uso de maquinário agrícola – os primeiros tratores, por exemplo, se popularizaram nos anos 1930. Com isso, a produtividade no campo explodiu. Hoje, num mesmo hectare de terra, um agricultor americano consegue produzir quase dez vezes mais do que há cem anos.

milho

Contudo, Malthus não percebeu que não são só os insumos – recursos naturais, terra, trabalho e capital, dentre outras coisas – que levam ao crescimento da produção e da renda. O outro elemento importantíssimo é a eficiência ou produtividade na utilização desses insumos. Portanto, em termos conceituais:

variação na produção = variação nos insumos + variação na produtividade

Malthus, apesar de ser um homem brilhante para seu tempo, ignorou a segunda parte dessa equação. E por isso suas previsões resultaram em erros monumentais. A população da terra aumentou quase 15 vezes de lá para cá e o número de pessoas passando fome como proporção da população total caiu.

E os problemas atuais que temos com o meio ambiente?

As pessoas que hoje estão reproduzindo o argumento no estilo de Malthus estão mais preocupados, naturalmente, com questões ambientais – e não mais com produção de alimentos. Dado que existem limites para a capacidade adaptativa do planeta e que, de acordo com a imensa maioria dos climatologistas, as emissões de gases de efeito estufa por seres humanos são responsáveis pela maior parte da mudança climática, como seria possível que o crescimento econômico continuasse indefinidamente?

Acontece que, como no caso de Malthus, a evolução tecnológica e o avanço da produtividade e eficiência energética tem levado o mundo a conseguir, ao passar do tempo, conseguir produzir a mesma quantidade de bem estar (medida por um dólar de PIB) com uma quantidade cada vez menor de uso de energia elétrica e, consequentemente, emissões de carbono.

A eficiência ambiental melhorou tanto no mundo que, em 2010, para se produzir a mesma quantidade de riqueza que se produzia em 1960, a humanidade emitia cerca de cinco vezes menos carbono.

eficiencia

Outra coisa interessante é perceber que, à medida que os países enriquecem, eles tendem a se tornar mais eficientes em sua produção. Não é muito difícil entender o porquê. Em países pobres, com baixa tecnologia, o uso energético é muito pouco eficiente. Imagine, por exemplo, que em diversos países muito pobres, para conseguir a renda e os alimentos mínimos para subsistência, as pessoas utilizam métodos muito precários para a produção energética – como fornos a lenha. A situação é tão comum que a polução causada por causa desse tipo de prática é um dos motivos de mortalidade infantil e de mulheres em diversos desses países.

Mas à medida que o país enriquece e redes de distribuição de combustíveis e eletricidade são construídos, métodos menos poluentes passam a ser adotados. Os países muito ricos – pense, por exemplo, em Hong Kong ou Luxemburgo – que têm economias já desindustrializadas e baseadas em serviços, emitem muito pouco gás carbônicos para produzir uma unidade de bem estar. Como a maioria dos países tende a se enriqucer ao longo do tempo, isso ajuda a explicar a tendência decrescente do gráfico anterior.

carbono

O mesmo é verdade também para outra fonte de pressão ambiental: a populacional. Mulheres em países mais ricos tendem a ter menos filhos. É por isso que na Europa a população está estagnada e no Japão o crescimento populacional é negativo.

A ideia de que a população vai crescer indefinidamente simplesmente porque a economia continua a ter taxas de crescimento positivas não encontra guarida na realidade. Na verdade, a taxa de crescimento populacional do mundo já começou a desacelerar e, de acordo com as projeções demográficas da ONU, espera-se que a população mundial se estabilize em 10 bilhões de pessoas até o fim do século.

fertilidade

A lição que parece sair desses dados é que, quando os países enriquecem, eles passam a criar, proporcionalmente, menos pressões ambientais. Mas talvez isso não seja suficiente. Para evitar as consequências mais catatróficas da mudança climática, o mundo vai ter que não somente se tornar mais eficiente, mas efetivamente reduzir suas emissões de carbono em termos absolutos. Será que isso é possível? Com essas ganhos de eficiência, sim. Na verdade, os países mais ricos já emitem hoje menos carbono do que emitiam há 25 anos, apesar do PIB per capita ter continuado a crescer significativamente.

europa

E esse resultado nem sequer incluem diversos dos avanços tecnológicos que devem ser adotados no futuro. Carros elétricos e híbridos, mecanismos de captura de carbono e energia solar e eólica mais baratas por causa dos avanços tecnológicos vão contribuir ainda mais para essa redução. Um relatório da universidade francesa SciencePo calcula que é possível que os Estados Unidos, por exemplo, reduza suas emissões de carbono em 80% até 2050 sem ter que reduzir seu crescimento econômico.

Mas por que a gente não sabia disso antes?

A gente sempre soube, na verdade. Mesmo nos modelos teóricos mais básicos de economia o fator último que leva ao crescimento infinito não é consumir mais insumos, mas sim o avanço tecnológico e os ganhos de produtividade. Quem critica economistas por dizerem que o crescimento contínuo é possível, não compreende que o vetor fundamental do crescimento de longo prazo, conforme explicado pela maioria dos economistas, não é o consumo cada vez maior de insumos – mas os ganhos de eficiência como os aqui relatados.

O aumento da produtividade é uma dos mais interessantes fenômenos econômicos. Ele permite explicar porque países enriquecem, por exemplo. Ele permite, também, explicar como é possível ter um crescimento contínuo mesmo em um planeta que tem limites.

Carlos Goés é doutor em economia. Este texto foi publicado originalmente no Instituto Mercado Popular

, , , ,

Diversos Autores

Por:

Desde 2015 o Ideias Radicais busca difundir o libertarianismo e ajudar a construir uma sociedade livre.

Relacionados

BitPreço
Settee